quarta-feira, 13 de julho de 2016

APEOC cobra política de prevenção ao adoecimento dos trabalhadores em educação

O contato rotineiro com trabalhadores da educação de Camocim tem nos levado a identificar o crescente número de profissionais acometidos por doenças laborais, tanto de natureza física como emocional. Dentre as causas do sofrimento, está a superlotação das salas de aula, as rotineiras cobranças por resultados frente às dificuldades de aprendizagem dos alunos, sem que se dê o devido suporte ao docente, e a jornada de trabalho excessiva. Tais causas geram problemas como cansaço, nervosismo, lesões físicas, problemas da voz e estresse, etc.

O tempo passa e pouca coisa muda. Pelo contrário, até piora, em decorrência da intensificação do ritmo de trabalho e do maior nível de exigência junto às unidades escolares. Com o aumento de casos de adoecimento, há aqueles que jogam a responsabilidade somente para o trabalhador, acusando-o de não querer trabalhar ou de não tomar os devidos cuidados com a própria saúde. Como saída, os processos de readaptação nem sempre procuram valorizar outras capacidades do trabalhador, obrigando-o, em alguns casos, a ser encaminhado para a Previdência Social, o que implica prejuízo salarial para o servidor, além de afetar a própria estima. Sem falar que o governo ainda precisa contratar outros profissionais gerando mais despesa ao município e que muitas das vezes compromete a qualidade na prestação dos serviços.

A Comissão Municipal do Sindicato APEOC vem cobrar da Prefeita Monica Aguiar compromisso assumido em setembro/2012, de atender integralmente a demanda por melhoria das condições de trabalho dos servidores visando à prevenção de doenças laborais. Porém, passados aproximadamente 4 anos quase nada foi feito.  Faz-se necessário que o Município de Camocim implante urgentemente uma política de prevenção ao adoecimento dos servidores da educação, contando-se com o apoio de profissionais como: educador físico, psicólogo, fonoaudiólogo e terapeuta ocupacional, etc. Como o município dispõe desses profissionais em seus quadros, a atuação evitaria onerar o governo e ainda ajudaria as unidades escolares, a fim de reduzir os casos de adoecimento, licença e readaptação promovendo, por conseguinte, o bem estar dos trabalhadores para ofertar serviço de qualidade a população.

A saúde do profissional de educação passa pela visão sensível dos gestores e tem que ser pauta prioritária, numa clara transição do real para o necessário.

Sindicato APEOC – Camocim

Sempre alerta, na defesa dos profissionais da Educação.

sexta-feira, 8 de julho de 2016

BB divulga cronograma de pagamento do PASEP 2016/2017



O Banco do Brasil divulgou em seu site o cronograma para pagamento do ABONO salarial do PASEP 2016/2017. 


                                       Final da Inscrição (dígito)
            Início do Pagamento
0
28.07.2016
1
18.08.2016
2
15.09.2016
3
14.10.2016
4
21.11.2016
5
19.01.2017
6 e 7
16.02.2017
8 e 9
16.03.2017
Final do Pagamento
30.06.2017

Fonte: site do Banco do Brasil

ATENÇÃO


O Banco do Brasil nos informou que aqueles que não têm mais conta na instituição deverão sacar o benefício diretamente no caixa (na parte interna da agência).

quinta-feira, 7 de julho de 2016

APEOC cobra resposta ao Conselho do FUNDEB na Promotoria


No último dia 30 de Junho, foi realizada no Gabinete da Promotoria de Justiça da Comarca de Camocim, a pedido da Comissão Municipal do Sindicato APEOC, uma audiência com a Presidente do Conselho do FUNDEB (CACS). O encontro tornou-se necessário por conta da falta de respostas por parte da representação do referido Conselho diante de solicitações apresentadas pelo Sindicato APEOC, através dos ofícios:
- de nº 52, de 26/11/2015, pedindo informações sobre as atividades realizadas pelo CACS referente à fiscalização das contas do FUNDEB do Município de Camocim - ano 2015, bem como sobre as movimentações financeiras referentes ao respectivo fundo no ano de 2015 e ainda sobre o calendário de reuniões do Conselho para 2016;
- de nº 28, de 11/05/2016, indicando nomes de servidores que estariam sendo pagos com recursos do FUNDEB, sem estarem desenvolvendo diretamente atividades de manutenção e desenvolvimento do ensino.
Por ocasião da audiência, a Presidente do Conselho do FUNDEB informou que houve falha do órgão em não responder o primeiro ofício, alegando excesso de atribuições, próprias de final de ano letivo, por parte dos conselheiros. Para sanar tal falha, a Presidente se prontificou a enviar as informações solicitadas até o dia 08/07/2016 (sexta-feira).
Com relação à presença na folha de pagamento do FUNDEB de pessoas que não estariam enquadradas nas despesas de manutenção e desenvolvimento do ensino, a Presidente asseverou que as irregularidades já foram sanadas, conforme informações que foram repassadas via oficio para a entidade sindical em 28/06/2016.
Finalizando a audiência, Dr. Evânio Pereira de Matos Filho, Promotor de Justiça, recomendou que a Presidência do Conselho do FUNDEB responda tempestivamente às solicitações encaminhadas não apenas pelo Sindicato APEOC, mas também por qualquer outro órgão ou cidadão, o que, além de evitar possíveis sanções, contribuirá fortemente para o trabalho de controle social dos recursos públicos.
O Sindicato APEOC, tem se colocado à disposição para participar, como ouvinte, das reuniões do Conselho Municipal de Acompanhamento e Controle Social do FUNDEB, reiterando nosso compromisso contínuo com a fiscalização e com o bom aproveitamento dos recursos da educação. Acreditamos que quanto mais intenso for o trabalho de fiscalização, maior será a eficiência dos recursos públicos, pois a qualidade da educação passa pela transparência e pela participação social.
Sindicato APEOC – Camocim

Sempre alerta na defesa da educação pública.

segunda-feira, 4 de julho de 2016

FUNDEB: 1º Semestre/2016 - Camocim recebeu R$ 21.303.951,73


Encerrado o 1º Semestre/2016, o Município de Camocim já recebeu do FNDE R$ 21.303.951,73 oriundos do FUNDEB. Apresentamos, no quadro abaixo, a evolução, mês a mês, dos valores que foram aportados nas contas da Prefeitura para a manutenção da Educação Básica em nosso município (Fonte: Site do Banco do Brasil).

Período
2016
Janeiro
R$ 4.545.847,42
Fevereiro
R$ 3.076.102,22
Março
R$ 3.275.954,98
Abril
R$ 2.951.701,30
Maio
R$ 3.717.758,73
Junho
R$ 3.736.587,08
Total
R$ 21.303.951,73

A previsão do FNDE para o FUNDEB em Camocim no ano de 2016 é de R$ 37.605.768,24, devendo-se destinar, no mínimo, 60%¨desse valor exclusivamente para pagamento de salário dos professores e previdência (contribuição patronal). A parte restante deverá ser utilizada para pagar a remuneração dos demais trabalhadores que atuam na educação municipal, incluindo previdência, e também para manutenção das unidades de ensino.

Fiquemos atentos ao uso dos recursos públicos, pois a efetivação de uma educação de qualidade passa pela eficiente e responsável gestão de tais valores. E se é público, é da conta de todos!

Sindicato APEOC – Camocim

Sempre alerta na defesa dos interesses da educação.

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Aniversariantes do Mês - Julho/2016


Parabéns a todos (as) associados (as) de nossa entidade que aniversariam neste mês!
Desejamos a todos, felicidades, saúde e muitos anos de vida.
Que sempre vivam semeando bondade e colhendo paz, sob a bênção de Deus


01/07/2016
Maria Edileusa Alexandrino – Merendeira
Pedro Araújo Pereira Professor

02/07/2016
Leonardo Vasconcelos Feitosa – Digitador

03/07/2016
Sebastiana Rodrigues de Sousa Professora

04/07/2016
Maria Creuza Dourado – Professora

05/07/2016
Ananias Emilio da Paz – Vigia
Gracieusa Santos da Silva – Serviços Gerais
Maria das Dores da Mota – Merendeira

06/07/2016
Maria Cândida Rodrigues da Costa – Serviços Gerais
Maria do Livramento Zeferino Fontenele – Professora

07/07/2016
Bartolomeu de Carvalho Júnior – Vigia
Dirlene Rodrigues da Silva – Aux. Administrativo
Orlando Batista dos Santos – Professor

08/07/2016
Francisca Neide Pereira Batista – Serviços Gerais
Maria Gracilene Araújo da Silva – Merendeira
Maria Weudes Monteiro Bezerra – Professora
Nágila Barbosa da Rocha – Professora

09/07/2016
Aderaldo Ferreira da Rocha – Professora
Kátia Veras dos Reis Brito – Serviços Gerais
Liduina Edna Prado Ribeiro Professora
Maria do Livramento Araújo Gomes – Serviços Gerais
Valdionaldo Matias do Nascimento – Vigia

10/07/2016
Eglauber Ciriaco Lima – Professor

11/07/2016
Ana Célia Martins – Professora
Francisca Nêlda Frota Fontenele – Professora
Francisco Antonio Xavier de Oliveira – Vigia
Leila Maria Rodrigues – Merendeira
Manoel Antonio Teixeira de Souza – Vigia

 12/07/2016
Cleudo da Silva Santos – Professor

13/07/2016
Antonio Edilso de Sousa – Vigia
Aradilma Pereira da Silva Professora
Eliene Maria Juvêncio de Sousa – Professora
Gerardo Gomes de Carvalho – Sócio Estadual
Maria Claudyenne de Vasconcelos Santos – Professora
Maria Pires do Nascimento – Merendeira

14/07/2016
Iracema Oliveira dos Santos Professora
Maria Edinete Rodrigues – Serviços Gerais

15/07/2016
Ana Margarida Pires de Oliveira – Professora
Ândria Magalhães Ferreira Carvalho – Professora

16/07/2016
Antonio Alberto da Paz Professor
Maria do Livramento Teixeira – Merendeira

17/07/2016
Maria Edite da Cruz Ribeiro – Professora
Maria Laura de Oliveira – Sócia Estadual
Maria Madalena dos Santos Brito – Merendeira

18/07/2016
Benedito Raimundo Alves Professor
José da Silva dos Santos – Professora
Raimunda Rodrigues Mesquita Professora

19/07/2016
Ana Julia Linhares Fernandes Gomes – Professora
Francisca Soares da Cruz – Professora
Maria Vitória dos Santos – Professora

20/07/2016
Gilbéria Maria Nunes – Professora
Josina do Nascimento Araújo – Professora
Maria de Fátima Aguiar de Oliveira – Merendeira
Maria Iene Pontes de Pinho – Professora

21/07/2016
Clairton Lourenço Santos Professor

22/07/2016
Rivênia Silva Sales – Professora

23/07/2016
Claudete Gomes da Silva Professora

24/07/2016
Francisco Gilson Ferreira dos Santos – Vigia
Maria Batista da Rocha de Oliveira – Merendeira

25/07/2016
Francisco Roberto Pedro dos Santos – Professor
Girlene Frota Rocha – Professora

26/07/2016
Carla Elita Moreira – Ag. Administrativo
Francisco Rands Rios Carneiro Ag. Administrativo
Gislene Souza de Oliveira – Professora
Maria de Fátima da S. Oliveira – Sócia Estadual
Maria Fabíola Aragão Alves Professora
Suzana Rodrigues de Araújo Dourado – Serviços Gerais

27/07/2016
Ana Lúcia da Silveira – Serviços Gerais
Aníbal Rozendo de Oliveira Filho – Vigia
Josefa Oliveira Teixeira – Merendeira
Lerismá Ferreira de Lima Lopes – Professora
Luizito Álvares dos Santos – Vigia
Marcos Antonio de Sousa Oliveira – Vigia
Maria Claudete dos Santos – Ag. Administrativo
Maria Claudete dos Santos – Serviços Gerais
Maria do Socorro do Nascimento – Merendeira
Maria do Socorro Rocha Martins – Professora
Paulo Clesson dos Santos Professor

28/07/2016
Antonio da Silva – Vigia
Evandro Pereira Brígido – Professor
Francisca Jeanne Silva dos Santos – Professora
Maria José Vieira da Fonseca Professora
Maria Lúcia de Assis Pinto – Professora
Valdira Braga da Costa – Professora

29/07/2016
Carmilda Morais Veras – Serviços Gerais
Fátima Maria Gomes – Professora
Francisca Iva dos Santos Serviços Gerais
Maria do Livramento Pessoa Neta – Merendeira
Mario Roberto Ferreira Lima – Professor

30/07/2016
Antonio Batista da Rocha – Vigia
Maria Cristiane Marques de Sousa – Serviços Gerais
Maria do Livramento de Brito Araújo – Merendeira
Raimundo Nonato Pereira – Vigia

31/07/2016
Maria Cleonice Ferreira Nascimento – Merendeira

Tânia Maria da Costa – Professora

terça-feira, 28 de junho de 2016

UM ANO DE PME E .... QUASE NADA

No dia 16 de Junho de 2015, foi sancionado o Plano Municipal de Educação - PME (Lei Municipal nº 1330), documento que estabeleceu para o decênio 2015 – 2025, metas e estratégias para a educação municipal.
Com um ano de vigência, o município de Camocim dá a entender que o PME não está sendo aproveitado como documento gerencial. Percebe-se pouca atenção (quase nenhuma) aos prazos, fazendo valer o que temíamos: um belo texto, mas que não passa de mera carta de intenções. Vejamos:
1. Meta 01 do PNE, o município comprometeu-se em “fortalecer a comissão interinstitucional de educação infantil acrescentando (02) dois representantes do corpo docente para planejar, acompanhar e avaliar a política de educação infantil a partir da vigência até 2016”;
Situação: falta publicidade para tal ação, deixando o cidadão comum sem saber de fato o que está sendo feito e quais os desafios a serem enfrentados.
2. Meta 15 do PNE, o município comprometeu-se com a estratégia de "promover cursos de aperfeiçoamento profissional a cada 2 (dois) anos para todos os funcionários, tanto da docência como de apoio operacional, a partir da vigência do plano";
Situação: não há indicativo de ações voltadas para o aperfeiçoamento profissional dos diversos colaboradores de nossas escolas, como se a missão de educar fosse empreendida somente pelos professores, deixando nossa rede de ensino aquém do ideal de ser uma comunidade educadora.
3. Meta 17 do PNE, o município comprometeu-se com as estratégias de:
a) "efetivar a política de avaliação de desempenho dos profissionais do magistério, tendo em vista a regularização da progressão na carreira, em até um ano de vigência do plano";
Situação: o prazo de um ano foi extrapolado e os profissionais do magistério continuam estagnados na carreira, tendo por parte do Poder Executivo apenas um tímido sinal (desde Março / 2016) de que está fazendo estudos financeiros sobre como efetivar tal política.
b) "criar política salarial de valorização para cargos comissionados do magistério a partir da vigência do plano, com reajustes anuais";
Situação: os cargos comissionados amargam mais de quatro anos de congelamento de suas comissões, acumulando aproximadamente 30% de desvalorização. A justificativa permanece a mesma: estudo de impacto financeiro.
4. Meta 19 do PNE, o município comprometeu-se com estratégias de:
a) "instituir programas de avaliação institucional no âmbito das unidades escolares a partir da vigência deste plano com intervalos a cada dois anos";
Situação: não há sinal de implantação de avaliação institucional no âmbito das unidades, colaborando para agravar a situação, com raras exceções, a tímida atuação dos conselhos escolares junto aos trabalhos das gestões escolares;
b) “criar e dar suporte ao Grêmio Estudantil das Unidades Escolares que ainda não possuem o segmento, bem como as que já o possui a partir da vigência deste plano”;
Situação: pouco se escuta falar dos organismos colegiados, deixando nossas escolas fragilizadas no quesito gestão democrática. Desperdiça-se assim o protagonismo dos alunos, comprometendo seriamente a formação dos discentes, em favor de uma postura crítica e responsável.
5. Meta 19 do PNE, o município comprometeu-se com a estratégia de "viabilizar a participação dos Conselhos Escolares e demais organismos (ONG's, associações e sindicatos) na elaboração da proposta orçamentária anual da Secretaria Municipal da Educação com base em levantamentos das principais necessidades da rede escolar".
Situação: a gestão da educação em Camocim precisa avançar mais no caráter democrático, no controle social e na transparência, a fim de que o simples cidadão possa saber o que está sendo feito e possa participar com maior efetividade na definição de ações favoráveis à educação com qualidade social.
Por fim: temos um rico documento formal, mas com possibilidade de não efetivá-lo por não termos, junto aos diversos segmentos da sociedade, espaços de acompanhamento, de avaliação e de correção das ações. Já que a educação é tarefa de todos e afeta a todos, por que não apoiar sua caminhada por meio de fóruns e de outras iniciativas similares? Fica a dica!

O Sindicato APEOC reitera mais uma vez a disposição em colaborar de forma responsável e imparcial no monitoramento e na avaliação das ações educacionais, em favor da implementação do PME, a fim de que o mesmo contribua significativamente com a edificação de uma sociedade mais justa, solidária e sustentável.

Sindicato APEOC – Camocim

Nenhum passo atrás!